Skip to content

ESPECIAL Piratas do Caribe

19/05/2011

Às vésperas do novo filme, os críticos dão uma olhada nos três primeiros filmes da série “Piratas do Caribe”. A bordo, marujo!

Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra – por Lucas Veloso

Baseado numa das maiores atrações da Disney, e agora uma das franquias de filmes mais bem-sucedidas da empresa. Traz uma história que se inspira nos antigos filmes de pirata e capa-e-espada, feitos nos primórdios de Hollywood, e que haviam caído no ostracismo até então, com exceção de uma ou outra “revisão” ao longo dos anos. Infelizmente, além da adição do sobrenatural o filme não traz maiores inovações para o gênero, limitando-se a ressuscitar os clichês. O que faz bem, e além do mais, havia toda uma geração que ainda não os conhecia. As cenas de ação não são lá muito inspiradas e o filme sofre com um ritmo irregular e surge arrastado (um mal que, em maior ou menos instância, acomete todos os filmes da série), mas vale uma menção aos efeitos especiais: são eficientes, ainda que dentro do esperado. O ponto forte do filme é mesmo Johnny Depp, que dá um show como Capitão Jack Sparrow, um dos personagens mais carismáticos da atualidade. Ele rouba a cena a cada aparição, com sua malandragem e cara de pau indefectível, e acaba fazendo valer o filme.

Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra – por Pedro Sampaio

Orlando Bloom prova mais uma vez que o papel de Legolas (no qual fez muito sucesso) foi uma exceção. O ator não tem brilho algum e some perto de Johnny Depp. É claro, o personagem de Depp já é muito mais interessante mas provavelmente se os mesmos atores interpretassem o personagem um do outro, a atração não seria Jack Sparrow.
Keira Knightley não faz nada demais (também não teve muita oportunidade de se destacar nesse filme, cá pra nós) e o brilho fica por conta de Depp e Geoffrey Rush, excelente como Barbossa. O filme é divertidissímo, e bem dirigido. O ritmo é muito bom e mesmo tendo os personagens mais atraentes como coadjuvantes, ele resiste e permanece deixando-os como tal. Os efeitos especiais são EXCELENTES, aonde a tripulação vira esqueleto a luz do luar (de cair o queixo). O filme passa muito bem o clima de filme de pirata misturado numa fantasia medieval muito envolvente.
Peca apenas por ser, em sua essência, excessivamente bobinho e os seus protagonistas muito fracos. Mas definitivamente um bom filme de ação.

Piratas do Caribe – O Baú da Morte – por Lucas Veloso

Já a continuação é um filme bem diferente. Não só traz um roteiro inspirado e dinâmico, como imprime suas próprias características ao gênero, definindo como um filme da série “Piratas do Caribe” deve se parecer. O filme, como seus companheiros de tela naquela temporada, custou os olhos da cara, mas diferente dos outros, esse sim se parece com um filme de mais de 200 milhões de dólares, pois os mesmos parecem ter sido bem empregados. Tudo no filme é impecável: A direção de arte (entre cenários, figurinos, maquiagem e objetos de cena), a fotografia, os efeitos especiais… diferente de seu antecessor, não sofre tanto com problemas de ritmo: a ação e o humor conduzem bem a história, e… sim, Jack Sparrow é o dono do show.. de novo. E cada vez mais desprezível (será?), o que o torna mais interessante. Como manda a nova tradição do dois por um, Piratas 2 foi filmado com o 3, então há um gancho interessante para a terceira parte.

Piratas do Caribe – O Baú da Morte – por Pedro Sampaio

Pelo trailer eu esperava que o diretor dessa vez não resistisse a tentação e focasse a história em Jack Sparrow (após o enorme sucesso que o personagem fez). Felizmente isso não aconteceu (não por completo). A participação de Sparrow talvez tenha aumentado um pouco, mas nada significativo. Esta continuação consegue manter o mesmo clima do primeiro filme e ainda adicionar mais fantasia na história (de uma maneira agradável ao meu ver). Os vilões são na minha opinião ainda mais interessantes e o filme consegue ser mais tenso e sombrio que o primeiro. Mesmo assim não deixamos de dar boas risadas. Bloom volta um pouco melhor do que no 1o filme, assim como Keira, que dessa vez se destaca no filme. Conseguiram fazer um trabalho regular. Depp volta novamente fantástico, mesmo já tendo perdido a novidade que era seu personagem no 1o filme. Louvável como não se preocupam muito em tornar Sparrow um mocinho do público e mostram sua canalhice sem escrúpulos e seu egoísmo malandro. Mesmo assim ele consegue ser cativante… A trama se entrelaça muito bem , a fotografia é belíssima e os efeitos novamente acima de quaisquer críticas. É principalmente, como não poderia deixar de ser claro, um excelente filme de ação.

Piratas do Caribe – No Fim do Mundo – por Lucas Veloso 

A saga pirata encerra um ciclo nesse filme que traz o que é esperado e ainda investe em algumas decisões experimentais e até incomuns num blockbuster de verão.. Tudo o que era excelente no filme anterior (direção de arte, figurino, efeitos especiais, música) permanece. A história fica um pouco confusa, e o ritmo é arrastado. Por horas, dá-se a impressão de que quiseram forçar um clima “épico” como Senhor dos Anéis apenas estendendo a duração do filme, com muito blábláblá. O que causou também a óbvia diluição da ação no filme, mas pelo menos quando acontece, é de encher os olhos. Destaques especiais para a cidade pirata, a batalha final dos navios num redemoinho e a participação de Keith Richards. O diretor e Johnny Depp batalharam pra que acontecesse, e valeu a pena. Termina com um desfecho satisfatório, e que não impede que novas aventuras aconteçam.

Então é isso, marujos! E leiam também a crítica do filme mais recente, aqui!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: