Skip to content

ESPECIAL G.I Joe

13/04/2013

Hoje, falamos sobre o primeiro e o mais novo filme dos G.I Joe, além do legado dos brinquedos! Por Lucas Veloso.

gijoe

G.I Joe – A Origem de Cobra canecacaneca

Trazendo às telas o universo de aventuras dos bonecos e desenhos animados, G.I Joe o filme tinha bastante expectativas a satisfazer… com várias histórias possíveis, a equipe criativa escolheu a equipe “clássica”: Duke, Scarlett, os ninjas Snake Eyes e Storm Shadow, o General Hawk, e do lado de Cobra, o Comandante Cobra, Destro e a Baronesa. Colocando essas duas equipes uma contra à outra enquanto os Joes tentam impedir a disseminação de nanobots destruidores, acompanhando ainda, como o nome sugere, o início da organização terrorista Cobra. A medida que acompanhamos a integração dos dois mais novos integrantes da equipe, vamos vendo a base secreta, os inimigos, as armas e veículos, é como se um menino orgulhoso nos apresentasse a sua coleção de brinquedos. E quando a ação começa, quem teve os bonecos nos anos 80 provavelmente se lembrará das suas próprias aventuras brincando com eles. Mas nostalgia à parte, o filme é um pouco vazio, é como se as cenas fossem uma colagem de situações, apenas uma levando à outra inconsequentemente, como se fosse mesmo um comercial de brinquedo de quase duas horas comandado pelo dinâmico, mas inconstante diretor Stephen Sommers. O elenco se sai até bem, destaque para Channing Tatum e Sienna Miller. Os personagens são uma colagem de estereótipos, mas como a própria ideia do G.I Joe é essa (o soldado, o médico, o especialista em comunicações, o marinheiro etc…), não podemos ver isso como um defeito. O filme chega no seu ápice na sequência em Paris, excelente ação, apesar de efeitos irregulares. No resto do tempo, há momentos divertidos, mas em geral, não é um filme muito empolgante.

gijoe 2

G.I Joe – Retaliação canecacanecacaneca

Na continuação, parece que aprenderam com alguns erros. Dessa vez, depois de um ataque covarde que elimina grande parte dos Joes, os três remanescentes comandados por Roadblock (The Rock) devem desmascarar a intrincada conspiração de Cobra, que dominou a Casa Branca. A ação flui melhor, parece menos caricata, apesar dos novos “brinquedos” e a adição de valiosos novos “bonecos” à coleção (Bruce Willis), parece mais um filme de verdade e menos a propaganda em longa-metragem do anterior. Arrisco dizer que existe até um pouco de desenvolvimento de personagem! Gostei da nova personagem feminina, Lady Jaye, mas a ousadia da Baronesa fez falta. A ação e efeitos especiais também melhoraram um bocado. Destaque para a cena da luta de ninjas nas montanhas. Em geral, é uma obra mais focada, apesar de não se esquecer o que é, um filme baseado numa linha de brinquedos. Vale também mencionar a maior aproximação com o visual dos bonecos, principalmente na figura do Comandante Cobra. No filme anterior, parece que tinham vergonha da aparência dos bonecos e fizeram todos meio iguais, heróis e vilões. Aqui, há um pouco mais de distinção. Acertaram a mão, dessa vez.

gijoe collection

Sucesso absoluto de vendas no mundo inteiro, a coleção G.I Joe (no Brasil, Comandos em Ação) contava com diversos bonecos, divididos em dois grupos: os Comandos, ou Joes (do bem) e os Cobras (do mal). Com essa premissa simples, mas eficiente, e mais diversos acessórios que incluíam veículos e bases grandões, esses bonecos faziam a cabeça da molecada nos anos 80 e deixavam os pais doidinhos, pois parecia uma coleção que não acabava nunca. Com apoio de desenho animado e história em quadrinhos, aprendemos a história e conhecemos as personalidades de cada um. Pra quem não tinha grana pra comprar os cenários e veículos, ou quem não foi afortunado o suficiente pra herdar a coleção dos primos mais velhos como eu, sempre sobravam os jardins e playgrounds alheios. A batalha nunca parava. Os bonecos em si, eram bem articulados, e feitos de um plástico duro, o que aumentava a durabilidade. O único ponto fraco era o quadril, conectado ao tronco por um sistema de gominhas de borracha, que costumavam romper (nada que não pudesse ser reparado, mas… chato mesmo assim). Além é claro, da eterna ameaça do cachorro da casa acabar comendo as arminhas. Comparados com os bonecos de hoje em dia (incluindo os próprios Joes atuais), os Comandos em Ação dos anos 80 dão um show, não só eram criativos e coloridos, mas tinham também qualidade muito melhor. Hoje em dia os fabricantes tem a cara de pau de pedir R$ 60,00 num bonequinho de 10 cm, que solta o braço se você olhar errado pra ele. Dá vontade de mandar o Snake Eyes fazer uma visitinha pro pessoal do controle de qualidade…

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: