Skip to content

ESPECIAL Ninja

30/11/2016

Hoje falamos dos guerreiros das sombras, dos adeptos do ninjutsu… pegue sua shuriken e bomba de fumaça, pois esse é o ESPECIAL NINJA! Por Lucas Veloso.

ninjaespecial01

Castle of Owls (ou “Ninja Hicho Fukuro no Shiro”) canecacaneca

Um dos primeiros filmes a tratar exclusivamente do assunto “ninja” é esse “Castle of Owls (Castelo das Corujas, em tradução livre)”, de 1963. Já aviso de antemão que trata-se de um filme extremamente monótono cuja história não prende muito a atenção. Mas então por que o escolhi para abrir nossa lista de recomendações? Ah, guenta aí! O filme mostra a luta do clã Iga para sobreviver num mundo onde os ninjas não existem mais. Mas tudo muda quando um deles é contratado para assassinar um influente político. A primeira coisa que notei ao ver o filme é que trata-se de um drama sério, com intriga política e tudo, e não um filme de artes marciais. Isso mostra como os japoneses levam a sério esse assunto por lá, e vendo isso, é lamentável como a figura do ninja acabou se tornando quase cômica e/ou infantilizada no ocidente. Enfim. Continuando: muito do filme foi feito em estúdio, então em alguns momentos fica um pouco tosco o cenário de fundo querendo ser um ambiente externo com árvores e tal, uma vez que é claramente um set, dando um aspecto de tokusatsu barato pra coisa toda. Um tokusatsu sério, mas ainda assim… a fotografia compensa tudo, é lindíssima, com imagens altamente impactantes, principalmente nas lutas finais, na chuva. Bom, novamente… por que você indicaria esse filme se ele é chato? Bom, embora uma boa parte seja blá-blá-blá, quando a ação ninja começa, é fantástica. Mas não em termos de quebradeira, fique avisado. Os ninjas mostrados aqui são o mais próximo possível do realismo histórico: simples camponeses que se treinaram para matar, são vulneráveis, agem nas sombras e dependem de não serem detectados para completar sua missão. Não são os super-homens que os filmes americanos e videogames nos ensinaram a curtir. Existem cenas geniais de infiltração ninja: quando o ninja coloca uma madeira na porta de correr para travá-la, por exemplo. Uma aula sobre a figura ninja histórica… mesmo que ocasionalmente, você precise recorrer ao fast forward.

ninjaespecial04

Shadow Warriors (ou “Kage no Gundan”) canecacanecacaneca

Na verdade, esse não é um filme, e sim uma série/novela (!) sobre ninjas que estreiou no final da década de 70 e durou quatro temporadas, cada uma retratando uma geração da família Hattori. Sim, se você viu “Kill Bill”, sabe que essa série foi uma das inspirações de Tarantino para criar o personagem Hattori Hanzo (que no fim, não foi criado, e sim, simplesmente tirado dessa série). Para ser sincero, assim como “Castle of Owls”, não sou muito fã da série como um todo. Acho que de novo, rola muito blá-blá-blá sobre a situação política da época no Japão, e além disso, tem uma trilha sonora brega com as piores afetações dos anos 70, e as lutas são poucas. Mas quando elas vem… Uau! Presenciamos o ápice do Japan Action Club, um grupo de atores e dublês que atuaram em diversos filmes e tokusatsus da época, e são considerados responsáveis por elevar o nível das cenas de ação, principalmente lutas, nos produtos aos quais eram associados. Ação ninja da melhor qualidade, com espadas, shurikens e bombas de fumaça. E claro, a imagem icônica do mestre Sonny Chiba, mostrada acima, com seu olhar intenso, se tornou a imagem definitiva associada com o fenômeno ninja, chegando inclusive, a inspirar a apresentação do jogo de Mega Drive, “Revenge of Shinobi”. Aos interessados, a série está disponível para ser assistida online gratuitamente neste site.

ninja den

Ninja in The Dragon’s Den (ou “Long zhi ren zhe”) canecacanecacaneca

Embora o diretor Corey Yuen seja conhecido por seus filmes de Kung Fu, ele produziu um dos filmes mais respeitosos sobre o mundo ninja em 1982, com “Ninja in the Dragon’s Den”. Claro que ele não quis se afastar demais de sua zona de conforto, então fez a história ser sobre um mestre do Kung Fu (Conan Lee, um sósia de Jackie Chan), que precisa convencer um rival ninja (Hiroyuki Sanada, de “O Último Samurai”) a deixar as diferenças de lado para enfrentar um inimigo em comum, que matou um homem importante para os dois. O tom do filme é um tanto irregular, indo de tragédia a comédia de uma cena para outra. Mas deixando isso de lado, as cenas de luta são excelentes (com destaque para a energética luta sobre pernas de pau), e como já dito, há um grande respeito pelas tradições do ninjutsu, então as roupas, armas e técnicas de eliminação são todas fidedignas ao que se sabe sobre os ninjas. As palhaçadas ocasionais, e a brega-porém-viciante música-tema podem afastar alguns, mas vale conferir pelas já citadas cenas de ação e momentos-ninja.

ninjaespecial02

A Vingança do Ninja canecacanecacaneca

“A Vingança do Ninja” é um dos filmes do estúdio Cannon que foi responsável por trazer o fenômeno ninja para o ocidente e ao mesmo tempo, torná-lo sinônimo de trash e tosqueira. Ora, por que esse filme merece estar nessa lista, então, se causou tanto mal? Bem… de fato o legado que esses filmes deixaram não foi bom, com cada filme da produtora se tornando mais caricato e ridículo que o anterior. Mas esse aqui pelo menos é um esforço sincero e divertido, antes da coisa desandar de vez. Tem tudo o que você espera de um filme ninja: ataque de ninjas logo na apresentação matando todo mundo, um desejo de vingança, o mestre das artes marciais que jurou não lutar mais (adivinha se ele cumpre a promessa), um bocado de armas e técnicas ninja (shuriken e bomba de fumaça é mato aqui), vilões caricatos mas cruéis, ninjas mulheres (uma bonitona e uma velhinha!), parede cheia de armas ninjas, e ainda uma passagem secreta com (claro) MAIS armas ninjas! Sério, o negócio é desviar das tosqueiras estilo anos 80, e aceitar o filme pelo que é, ou seja, um filme de ação americano com toques bem superficiais de cultura asiática. As lutas são boas, embaladas por uma trilha sonora de sintetizadores pra lá de decente, e Sho Kosugi é um achado. Quietão, bom de luta, cara de esfinge, e mete o sarrafo de boca aberta. Pra mim, é o Charles Bronson japonês, figuraça. Dá pra implicar com muita coisa nesse filme se quiser, mas também dá pra se divertir um bocado… se quiser.

ninjaII

Ninja II – A Vingançacanecacanecacaneca

Continuação de um filme horroroso, embora continue firmada com os dois pés no clube dos “filmes B”, se sai um pouco melhor que seu antecessor. Scott Adkins é Casey, que sofrerá com a manjadíssima morte do ente querido para direcionar o rapaz para sua vingança. Do Japão para a Tailândia, e então a Burma, Adkins vai distribuir porradas em cenas de ação que mostram porque ele é o maior artista marcial (ocidental) atual do cinema, e de quebra, o “american ninja” do séc. XXI. As cenas de luta são um deleite, muito bem elaboradas, e o cara é monstruoso. O design de produção, embora simples, é bem eficiente, e o filme tem um desenvolvimento tão satisfatório e com cenas de ação tão boas, que perdoamos o fato do personagem principal usar a roupa ninja efetivamente em apenas uma cena. No restante do filme, porém, ele mostra outras facetas do guerreiro da sombra, como furtividade e preparação de venenos. O diretor Isaac Florentine, mesmo com todas suas limitações, entrega um filme sem exageros ou comédia. Um filme de ninja bem-filmado, com uma história séria de vingança e com respeito ao ninjitsu, algo que sinto que faltava há tempos. Usaram inclusive Kane Kosugi, filho de Sho Kosugi, mencionado na crítica acima, como um link aos filmes de ninja da Cannon nos anos 80. É o “filme definitivo de ninja” para o séc. XXI? Acho que não. Mas é digno do legado.

ninjaespecial03

A Febre Ninja – por Lucas Veloso

Se você cresceu no final dos anos 80 e início dos anos 90, com certeza foi exposto ao que ficou conhecido como a “febre ninja”. Sim, essas ousadas figuras estavam por toda parte naquela época. Nem parecem os guerreiros das sombras que precisam agir em segredo! O fato é que existiam filmes, videogames, quadrinhos, desenhos animados, e até livros sobre o assunto! Até dieta ninja eu já vi! Sem contar as espadas e shurikens de plástico, disponíveis em todas as lojas de brinquedos, para o terror dos irmãozinhos mais novos. Em termos de filme, realmente era um pouco mais difícil… tinha quantidade, com certeza, mas qualidade mesmo, era pouca. Que fique registrado que foi uma excruciante tarefa selecionar os filmes da lista acima. E pra cada filme que entrou, foram horas de porcaria lotadas de “ninjas” de pijama colorido, cenas tocadas de trás pra frente para “criar” acrobacias sobre-humanas, entre outras bobagens. Com essa fama toda, logo a coisa começou a ficar diluída, e hoje em dia, é mais difícil ainda achar um filme (ou qualquer obra que seja) de qualidade com a palavra ninja. Virou coisa de criança. Temos Ninjago. Temos Tartarugas Ninja (que fique claro que a HQ original de Eastman e Laird é uma carta de amor ao ninjitsu, e a coisa toda só ficou diluída com as infindáveis animações e brinquedos). Virou gíria de pátio de escola: “O cara é ninja!” Ninguém mais leva a sério. É uma pena, pois ainda existem pessoas sérias que estudam e divulgam o assunto, como Stephen K. Hayes, considerado o homem que levou o ninjitsu para os Estados Unidos, e Masaaki Hatsumi, considerado por alguns um dos últimos ninjas verdadeiros ainda em atividade, e que interpretou o Tetsuzan Yamashi no tokusatsu Jiraiya, além de ajudar a coordenar as lutas da série. Aos entusiastas dos guerreiros shinobi, só resta aguardar um renascimento. Ainda existem pessoas interessadas no assunto, haja visto os filmes “Ninja” com Scott Adkins. Então, quem sabe como aconteceu com tantas outras febres, essa ainda volta?

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: